sexta-feira, julho 25, 2003

Edição

Post removido para o local em que ele realmente deveria estar: aqui




quinta-feira, julho 24, 2003

Vai!!!

O que não se pode aceitar é o marasmo, a mesmice. Nada faz mais mal à saúde do que a enrolação, o vai-não-vai.

Atitude é o que interessa. Tomar as rédeas da própria vida e assumir que os desafios são muitos, mas que há solução para todos eles, mesmo que esta solução seja virar as costas e sair andando. Chega um ponto em que você não tem mais nada a perder. Tem que enfiar o pé mesmo, cair de cabeça.

Pense no que pode ser feito de diferente. Mas pense com vontade mesmo. Aí perceberá que há alternativas. Sempre existem opções.

Você acorda todos os dias e pensa: “Que bosta, vou ter de trabalhar naquela merda de lugar de novo!”.
Tá ruim, meu filho? Então sai!!
Quando é hora de ir pra faculdade você indaga: “Que diabos eu estou fazendo indo praquele lugar??”
Então não vai!!

Aí, vocês dirão: “Ah, é fácil falar...”. Sim, é muito fácil. E fazer é tão fácil quanto! Depende da vontade. O problema maior é que somos todos, em maior ou menor medida, acomodados. Não queremos nunca passar por atropelos, sobressaltos e complicações.

Se você trabalha numa multinacional mega-fodona e tá de saco cheio, poderia muito bem vender coco na praia. Mas ninguém quer perder o apartamento, o carro, o cineminha, os cds e tudo mais.

Mexa-se!! Agilize a mudança. Mude a forma de pensar, de agir, de falar com as pessoas. Seja alguém diferente, seja quem você quer realmente ser.

Ame-se!! Goste de você mesmo. Se ache o melhor, a última bolacha do pacote mesmo. Dê valor para quem você é, para as razões que te construíram no longo trajeto de sua vida. Se você não gostar de si mesmo, ninguém vai gostar!!

Proteja-se! Escolha bem seus caminhos e companhias. Você deve fazer de quem te acompanha teu exército, pessoas em quem você irá confiar no dia mais claro e na noite mais densa.

Somos aquilo que escolhemos ser. Livre Arbítrio. Lembram dessa história?

Comments SUCKS!

Ô galera, mal aí... esse sistema de comentários tá bizarro. Não tá funcionando direito mesmo. Como eu sei que vcs adoram comentar (e eu adoro que vcs comentem), peço encarecidamente que vcs tentem algumas vezes antes de desistir.

Ou, mandem as opiniões de vcs por e-mail. Tem um link ali em cima. Eu dou um jeito de publicar os comentários depois.

Valeu!




quarta-feira, julho 23, 2003

Quero saber!

Sou só eu ou todos os outros homens acham a Leandra Leal, que tá na foto aí embaixo, muito gata?

Assim, ela não é bonitona e tal. Mas ela tem aquele famoso jeitinho.

Como assim? Vc não sabe o que é o jeitinho??
Pô, se vc é homem mesmo vc sabe, vai... É aquele jeito de sorrir, de colocar o cabelo atrás da orelha, de dizer "oi", de te olhar nos olhos... essas coisas simples que algumas garotas têm. É aquele algo a mais que deixa uma menina que nem é tãaaaao bonita assim, irresistível aos seus olhos.

Sério, nesse filme aí que comentei tem a Luana Piovani, um arraso de mulher. Mas que, obviamente, está num padrão tão superior, que nem conta - a não ser para fins meramente masturbatórios. É aquela velha história das mulheres de verdade e das mulheres da mídia.

Leandra Leal é uma mulher de verdade. Luana Piovani é uma mulher da mídia. Exemplos claros e diretos.

Preciso conhecer uma outra mulher com jeitinho. Pq até onde eu sei a Leandra Leal mora no Rio e aí é foda, tem a ponte aérea e tal... e de busão também é uma grana....

;-)

Explicação

E antes que me xinguem: sim, eu estou infame. Aguardem, pois a tendência é piorar.


Advinhação

Existe uma semelhança entre um bolo queimado, cerveja estourada no
congelador e uma mulher grávida ???



Se tivesse tirado antes não teria acontecido.



terça-feira, julho 22, 2003

Crítica do Dia


O Homem que Copiava
Direção: Jorge Furtado

Copiando sim, mas com originalidade, graça e estilo

O cinema brasileiro vive um período de intensa produção. Depois do arrebatador sucesso de “Cidade de Deus”, vieram outras películas de qualidade inegável, como “Madame Satã” e “Carandiru”. Todas elas fugindo daquele estigma que pairou durante anos sobre o cinema nacional, de mostrar só a miséria e os problemas do nordeste do País, e se voltando para narrativas mais urbanas e que utilizavam as mais modernas técnicas da produção mundial.
O destaque mais recente desta nova onda é “O Homem que Copiava”, do diretor Jorge Furtado. Ambientado em Porto Alegre, o filme mostra a vida de André (interpretado magistralmente por Lázaro Ramos), um jovem pobre que trabalha em uma papelaria, fazendo fotocópias das mais diversas coisas e que coloca sua mente ávida em ritmo industrial de produção quando chega em casa e começa a desenhar.
Inteligente, esperto e sonhador, o protagonista se apaixona por Sílvia, vivida pela bela atriz Leandra Leal, apenas observando a garota com seu binóculo, todas as noites. Depois de conseguir conhecê-la, seu objetivo passa a ser tirá-los da mesmice de suas vidas. Para isso, André imagina um plano que garanta ao casal aquilo de que mais necessitam: dinheiro. Nesse imbróglio, surgem também Marinês e Cardoso – em boas atuações de Luana Piovani e Pedro Cardoso – para deixar tudo ainda mais confuso.
A grande virtude do filme é o seu roteiro muito bem amarrado, que conduz o espectador por toda a trama, de forma a causar um sentimento de identificação e empatia muito grande, mesmo em situações um tanto quanto exageradas. Além disso, a qualidade técnica da produção salta aos olhos e enche os ouvidos, especialmente quando lembramos de como era o cinema nacional alguns poucos anos atrás.
“O Homem que Copiava” é um belíssimo exemplo de como é possível fazer um filme sensível, engraçado e que tem apelo às massas – por meio da temática facilmente reconhecível. Mas tudo isso sem cair na mesmice e muito menos na apelação.



segunda-feira, julho 21, 2003

Pensamento do Dia

" Se você ainda não encontrou a pessoa certa, não esquenta....

Vá se divertindo com a errada".


domingo, julho 20, 2003

"Friends will be friends"

Apesar de a asa negra ainda estar sobrevoando, já consigo ver o sol brilhar. São pequenos fios de esperança, ainda finos, mas que reluzem de maneira impressionante.

E essa esperança não vem de outros que não de meus amigos. Quando você recebe uma ligação num sábado à noite dum cara que vive a um oceano de distância, que liga só pra dizer que não está aqui, que está com saudades mas que está contigo nessa hora complicada, você percebe que de repente a vida até pode valer um pouco a pena.

Outros também deram provas de carinho que me fizeram ficar vermelho e com um nó na garganta. As coisas surgem dos locais mais inesperados e é aí que mora a graça, a beleza e a verdade. O amor em sua forma mais pura e simples. Sem interesses outros que não o bem-estar de alguém com quem você se importa.

Obrigado a todos. Começo a nova semana com a certeza de que toda essa merda vai acabar muito mais cedo do que eu posso imaginar. Afinal de contas, o mundo tá virado de cabeça pra baixo mesmo. Até o Rubinho ganhou uma corrida! :-)